Notícia

Poder computacional e big data: Repensando ferramentas para o mercado financeiro

O poder computacional atual, muito maior que o do passado, e a possibilidade de uso de uma quantidade enorme de dados – big data – vêm abrindo novas possibilidades de análise e reformando os paradigmas anteriores que usávamos para modelar fenômenos econômicos e financeiros. Não é um processo linear e frequentemente causa confusão. O propósito deste artigo, assim, é jogar um pouco mais de luz sobre o tema, sem a pretensão de exauri-lo, até porque este é um espaço bem limitado para isso.

Vivemos um enorme frenesi com relação às startups, Inteligência Artificial, Big Data e outras ferramentas, numa mistura difusa em que se reúne otimismo, equívocos e ingenuidade, sendo primordial e deveras desejável separar o crível e realista da fantasia, às vezes propositadamente fraudulenta.

Para separar o joio do trigo, nossa estratégia é entender os principais elementos e colocá-los em perspectiva histórica, de tal sorte que boa parte do que acreditamos ser algo revolucionário, em verdade já existe há mais de 30 anos. A diferença agora está na popularização da capacidade de processamento computacional e no armazenamento de dados. A suposta revolução está no simples fato de que antes essas coisas não eram computacionalmente factíveis e escaláveis. Isto é, quase toda teoria já existia, bem como seus arcabouços matemáticos, mas não conseguíamos ter quantidades de dados suficientes e poder de cálculo.

Fonte: https://valorinveste.globo.com/blogs/rodrigo-de-losso/coluna/poder-computacional-e-big-data-repensando-ferramentas-para-o-mercado-financeiro.ghtml