Notícia

Mulheres ocupam menos de um terço dos cargos em áreas do setor financeiro

Em algumas áreas do setor financeiro, as mulheres não ocupam nem um terço dos cargos. Agora, em face de um período prolongado de trabalho remoto, a situação pode ficar ainda pior para as jovens que acabam de entrar no mercado – sobretudo porque isso reduz as ocasiões para fazer novos contatos e superar preconceitos. Lisa Kaplowitz, diretora do Centro para Mulheres nos Negócios da Rutgers Business School, afirma que a interação pessoal é fundamental para atrair aliados profissionais capazes de ajudar as jovens executivas a prosperar. Isso é particularmente decisivo nos bancos, onde os postos de chefia são tradicionalmente ocupados por homens.

“Na falta de momentos de convívio direto com chefes e gestores, as mulheres têm menos oportunidade de comprovar sua inteligência e rapidez de raciocínio”, prossegue Kaplowitz, que exerceu altos cargos em empresas importantes e trabalhou como analista em Wall Street. “Mesmo quando estão sentadas na sala junto com colegas do sexo masculino, as mulheres sempre sentiram menos autoconfiança na hora de se fazer ouvir. Este é um relato que ouço de muitas profissionais, e isso só piora quando as reuniões passam a ser realizadas por Zoom”.

É evidente que os primeiros anos de carreira são determinantes tanto para mulheres quanto para homens. Mas há muito tempo as mulheres enfrentam uma série de obstáculos para avançar, e qualquer contratempo adicional no início da carreira de uma jovem pode ser ainda mais danoso.

De acordo com o U.S. Bureau of Labor Statistics, que coleta dados do mercado de trabalho americano, em 2019 as mulheres representavam 30% de todos os profissionais de vendas nas áreas de títulos, commodities e serviços financeiros. Já entre os analistas, elas ocupavam 34% das cadeiras. Uma pesquisa da consultoria Morningstar mostrou que a porcentagem de mulheres que administram os trilhões estacionados na indústria de gestão de ativos permaneceu estagnada nas últimas duas décadas: pouco mais de 1 a cada 10 profissionais da área.

Fonte: einvestidor.estadao.com.br/comportamento/mulheres-mercado-financeiro/