Confira as nomenclaturas mais utilizadas no mercado de finanças e entenda o que significa cada um dos termos para aproveitar todas as dicas de especialistas

É seguro afirmar que o interesse dos brasileiros por investimentos vem aumentando nos últimos anos, tendo atualmente mais de 3,5 milhões de investidores somente na Bolsa de Valores do Brasil. Antes considerado mais “inacessível”, o mercado financeiro tem se democratizado por meio de fatores como o maior acesso à informação.

Ainda assim, o setor possui termos e expressões que, para quem não está habituado, pode tornar difícil a compreensão e aprofundamento do mercado. Pensando em auxiliar investidores iniciantes, especialistas em investimentos da Warren, empresa referência no setor, estruturaram um “Glossário do investidor”, com o objetivo de familiarizar os interessados no assunto.

Glossário do investidor

Confira abaixo os termos mais utilizados neste meio, com um breve significado para auxiliar na compreensão do mercado financeiro:

Ações

Representam cotas de uma empresa que comercializa suas participações no mercado financeiro. Ao comprar ações de uma determinada empresa, o investidor se torna sócio e tem direito a participação nos lucros (e participa também dos prejuízos) daquela empresa.

Anbima

Sigla de Associação Brasileira das Entidades do Mercado Financeiros e de Capitais. É a entidade autorreguladora voluntária que representa as entidades do setor. Considerada a principal entidade certificadora dos profissionais dos mercados financeiro e de capitais do Brasil. Uma espécie de “Inmetro” do mercado financeiro.

Ativos

Ações, títulos, bens ou direitos que estão sendo negociados ou cotados por pessoas ou empresas, no mercado financeiro. Exemplos: CDB é um tipo de ativo.

BDR

Sigla para Brazilian Depositary Receipts ou recibos depositários. Trata-se de um produto de renda variável, negociado pela Bolsa de Valores. Por meio dessa modalidade é possível investir em ações estrangeiras de maneira indireta.

Benchmark

É um comparativo entre pares do mercado usados como base para seus resultados. Serve, principalmente, para entender a direção do setor e da empresa. Representa o que é “padrão” em algumas práticas do mercado. Exemplo: Produtos de renda fixa podem ter o CDI ou a inflação como índices de referência.

Câmbio

Cotação ou relação direta entre moedas para compra e venda.

CDI

Sigla para Certificado de Depósito Interbancário. Consiste em uma taxa especial de juros, que existe quando os bancos emprestam dinheiro entre si. O valor do CDI serve como índice de comparação de rentabilidade em diversos produtos de renda fixa.

CRA e CRI

Siglas paraCertificado dos recebíveis do agronegócio e imobiliários, respectivamente. Esses recebíveis são ativos de renda fixa que visam financiar o setor agrícola e imobiliário. Tem como diferencial a isenção do imposto de renda.

Day Trade

Abertura e fechamento de uma ação, sendo compra ou venda de um ativo, no mesmo dia, que visa como resultado o lucro.

Debêntures

Título de renda fixa, emitido por companhia privada, em que a taxa de retorno é fixada, podendo ou não ser incentivada pela taxa IPCA e com prazo definido.

Derivativos

Derivada do ativo principal, onde a sua oscilação tende a acompanhar a movimentação da ação. Geralmente, quando a ação sobe, o derivado sobe.

Fonte: https://www.nsctotal.com.br/noticias/conheca-os-principais-termos-do-mercado-financeiro-com-o-glossario-do-investidor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *