Na fábrica de quase 10.000 metros quadrados da Shoals Technologies em Portland, Tennessee, a busca de Dean Solon pela simplicidade começa com as camisas coloridas, inspiradas na Vila Sésamo, que seus trabalhadores usam. “O logotipo da SunPower era amarelo, então é o ‘Garibaldo’. First Solar era vermelho, para ‘Elmo’ ”, diz ele. Aqueles que estão trabalhando em um pedido para a Blattner Energy, uma grande empreiteira solar, ostentam “Come Come”. “E então nós temos o ‘Conde’, em roxo. Essas são as pessoas do controle de qualidade. ”

Os trabalhadores não sindicalizados de Shoals em quatro fábricas no Tennessee e no Alabama não medem esforços para realizarem as grandes instalações solares – basicamente, tudo que você precisa, exceto aqueles painéis fotovoltaicos brilhantes e os inversores necessários para alimentar a rede. Eles fabricam conjuntos de cabos, quadros de distribuição e fusíveis externos. É exatamente o tipo de manufatura pouco sexy que quase todo mundo pensa que fugiu para a China anos atrás.

Na verdade, a maioria dos concorrentes da Solon são empresas chinesas como GCL System Integration e Wuxi Sun King. Os componentes de fabricação chinesa são mais baratos que os da Shoals, mas Solon tem uma vantagem: seu material é visto como mais seguro, confiável e fácil de instalar. Isso significa que as empresas estão dispostas a pagar de 5% a 10% a mais por isso, acreditando que vão compensar com menores custos de mão de obra e manutenção. No ano passado, esse prêmio somou ganhos de US$ 34 milhões ante US$ 176 milhões em vendas. Depois de uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) em janeiro, Solon, de 57 anos, vale cerca de US$ 2,2 bilhões, graças à sua participação de 40% na empresa e à receita líquida das vendas de ações anteriores.

Para manter o título “made in America” o mais barato possível, Solon torna o processo de fabricação o mais infalível que ele é capaz. Telas montadas na frente de cada máquina mostram aos trabalhadores como fazer cada tarefa – desde descascar e cravar fios até instalar fusíveis e finalizar conjuntos de cabos – com tempos de ciclo medidos não em horas de trabalho, mas em segundos. É um mundo de “cachorro de Pavlov”, diz Solon, no qual os trabalhadores são treinados para se autocorrigir quando uma luz no topo de sua estação começa a piscar, indicando que eles atrasaram o cronograma e têm cerca de 15 minutos para resolver o problema antes que pisque mais rápido e a “manutenção” seja convocada. Eles são informados para nunca se preocupar em bagunçar as coisas. “Se este processo produzir erros, será vergonhoso – o projetamos errado, não fizemos à prova de balas o suficiente para você não cometer erros”, diz ele.

Os gerentes da fábrica ficam acima do chão da fábrica em um mezanino que Solon chama de Pedra do Orgulho, em homenagem ao altar da apresentação de Simba em “O Rei Leão”. Eles raramente se envolvem; as equipes ajudam umas às outras a resolver os problemas, porque se uma pessoa desacelera por muito tempo, a próxima na fila fica sem peças. “Não grite com ninguém; deixe-os vencerem por si mesmos ”, diz Solon. “Não preciso espremer mais dez segundos deles. Se a luz verde estiver acesa, estamos ganhando dinheiro. ”

Solon leva sua família à Disney World duas vezes por ano há décadas e há muito se inspira na perfeição orquestrada do parque: “Na superfície, tudo é calmo, feliz e sereno, mas por trás disso há centenas de pessoas se certificando de que a magia está fluindo.” Em uma recente viagem a Orlando, no entanto, ele não foi para a Disney, mas para um campo solar próximo da propriedade da Origis Energy. Em dias de sol, esta instalação de 270 acres gera 60 megawatts – o suficiente para fornecer cerca de um quarto das necessidades de energia do parque Magic Kingdom. Michael Eyman, diretor administrativo da Origis Services, diz que os produtos da Shoals “nem sempre são os mais baratos, mas sempre os melhores”. Origis tentou instalar o equipamento da concorrência, “e sem exceção, todos falharam no período de garantia”.

O hardware “plug-and-play” da Shoals elimina a necessidade de uma equipe de eletricistas caros no campo, removendo fios e criando milhões de conexões manualmente. “Não transformamos os ‘campos’ de nossos clientes em nosso campo de testes”, diz Solon, exibindo uma parede de cinco câmaras de teste, caixas do tamanho de uma geladeira onde pode submeter protótipos a 40 dias e noites de calor, frio e 100% de umidade relativa.

Solon é o inventor nomeado em 30 patentes concedidas e pendentes. Ele tem pelo menos essa quantidade de pares de shorts jeans, seu uniforme preferido, junto com uma camiseta preta com colarinho da Shoals. Ele se orgulha de não ter interesse na contagem de grãos e nos arquivos da SEC que, há 15 meses, entregou as rédeas do CEO ao diretor técnico de longa data Jason Whitaker. Solon continua no conselho de administração, com foco em novos produtos. O presidente da Shoals, Brad Forth, também é consultor sênior da Oaktree Capital, que comprou mais da metade da empresa da Solon em 2017 e resgatou US$ 2 bilhões no recente IPO. Agora que é público, há algum ímpeto para espremer mais alguns pontos marginais, liberando algumas das obsessões de Solon? “Nunca vamos sacrificar a qualidade ou a confiabilidade por nada”, diz Whitaker, “porque isso está embutido no próprio processo”.

Aí vem o sol

Com menos de 3 centavos por KWH, a solar é a fonte de energia mais barata de nova energia – e a que cresce mais rápido, acima de 25% no ano passado. Ainda é o início: a energia solar fornece apenas 3,3% da energia norte-americana.

Solon começou aos 8 anos carregando uma caixa de ferramentas para seu pai, que fazia consertos de ar-condicionado e refrigeração e ensinava na escola profissionalizante em Gary, Indiana. O jovem Dean desmontou tudo para ver como funcionava e montou de novo, de cortadores de grama a motores V8, às vezes com algumas peças sobrando. Aos 16, ele tinha seus próprios clientes e seu próprio caminhão. Ele estudou engenharia em Purdue, mas desistiu. Ele abandonou um estágio na Inland Steel quando a empresa se recusou a lhe dar crédito pelas inovações que havia desenvolvido. No final da década de 1980, ele estava desenvolvendo e vendendo peças automotivas para uma joint venture entre a General Electric e a Bosch. Ele fez questão de cortar sua comissão a fim de fazer com que os clientes voltassem por mais – depois desistiu quando seus chefes se ressentiram de que ele ainda estava ganhando mais do que eles.

Em 2003, ele recebeu um telefonema da First Solar, que precisava de algumas caixas de fiação e junção para conectar os painéis solares. Logo a Cypress Semiconductor queria o mesmo equipamento para seu spinoff solar SunPower. “Eu sempre fui um ‘cabeça de engrenagem’ em toda a minha vida – pensei que me aposentaria fazendo peças para carros.” Em vez disso, ele apresentou o perfeccionismo de manufatura ao “Ph.D. pensadores e consertadores de porão” da energia solar, que não tinham ideia de como aumentar sua produção com eficiência. “Tudo que eu sabia era a escala.”

A revolução solar ainda está no início. Em 2020, a geração de energia solar nos EUA cresceu 25%, para 130 gWh, mas as energias renováveis, excluindo hidrelétricas, ainda respondem por apenas 12,5% da oferta total de energia doméstica. Além da qualidade superior, há outra janela de oportunidade através da qual os jogadores nativos podem brilhar: no final de 2019, a Huawei da China fechou seus negócios de energia solar nos EUA depois que o Congresso tornou pública sua preocupação de que o equipamento da Huawei pudesse servir como vetor para um ataque cibernético.

Para alguém tão voltado para o processo, é revigorante que Solon continue dedicado ao elemento humano de seu negócio. Animatronics pode ser divertido no parque temático, mas não nas fábricas de Shoals. “É legal que um robô possa trabalhar 24 horas por dia, sete dias por semana, mas o robô não vai para a casa de uma família e tem que alimentá-la no final da noite”, diz Solon. “Eu poderia instalar a automação e fazer isso de forma totalmente robotizada, essa fábrica inteira. Mas eu sou apenas um idiota. ”

Fonte: https://forbes.com.br/forbes-money/2021/04/bilionario-revela-seu-segredo-para-derrotar-a-china-em-manufatura/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *